domingo, 31 de julho de 2011

"LOVe"!...

Rsssss!... Escrevi o título desta 'entrada' e estou sorrindo porque sei que o leitor está a pensar "LOVe? O que é que este quer?!...". Rsss!
"Carma", gentjiii!... "LOVe" é apenas... um produto turístico!... Ah! Ah! Ah!...

Eu "expilico"!...

Setúbal, a terra que me viu nascer e onde ainda moro, é a capital da "Região dos 3 castelos". Pois "LOVe" não é mais que a "região dos 3 castelos" de Timor-Leste... Ou, se quiserem, a "região das 3 tranqueiras", a que a vox populi por aqui chama, por vezes, de "castelo"! E quais são eles? Laga, Ossu e Venilale, pois claro!... Com uma belíssima base de apoio que é a Pousada de Baucau.


Mas como "produto turístico" "LOVe" precisa de muito trabalho prévio até se tornar uma verdadeira realidade.
As "tranqueiras" em questão estão, com excepção da de Venilale, completamente votadas ao abandono mas nem precisam de grande investimento para estarem "apresentáveis". Basta uma pequena "lavagem de cara" traduzida numa coisa tão simples como "capinar" os respectivos interiores, limpando-os das ervas que as ocupam --- em Ossu quase cobrem uma pessoa...

A de Laga tem as suas paredes exteriores bem conservadas mas a habitação que existiu no interior está em ruínas --- e assim deverá ficar, claro!


Os arredores da tranqueira são muito bonitos, especialmente na época da sementeira do arroz mas mesmo agora, com a colheita quase completa, tem a sua beleza (dourada).


Mas há mais: dali perto têm-se vistas admiráveis dos dois "Matebian" ("mulher", à esquerda na foto em baixo, e "homem"), os montes sagrados de Timor Leste.


Mais coisas há que ver por ali, desde paisagens com casas tradicionais até ao que resta do edifício da antiga administração portuguesa e que poderia ser aproveitado para, com o apoio técnico da Pousada de Baucau, servir de ponto de apoio aos turistas na região.

A segunda letra do "LOVe" é o "O" de Ossu.



Com uma traça que faz lembrar a de Laga, é a que está em pior estado de conservação. O matagal no seu interior é alto e não se compreende porque é que a Timor Telecom, que julgo ser a proprietária da enorme torre de transmissões que está encostada à tranqueira --- não havia outro local para a colocar, nem que fosse uns metros mais para a esquerda ou para a direita?!... --- não toma a iniciativa de, a bem da preservação do património histórico do país, pagar a alguém um punhado de dólares para capinar todo o terreiro e depois mante-lo limpo. Com uns 200 dólares faziam a festa, quase de certeza...

Nas proximidades da tranqueira há mais coisas de interesse, todas construções do tempo da administração portuguesa, incluindo um bocado de um aqueduto ainda relativamente bem conservado.


A viagem para Ossu tem um "bónus": os cerca de 15 kms entre Venilale e Ossu. A estrada é uma autêntica montanha russa e deve ser forte candidata a pior estrada do país --- pelo menos entre duas localidades com alguma importância.


A verdade, porém, é que proporciona vistas de quase reter o fôlego, nomeadamente das montanhas da região e mais além.


E de repente proporciona-nos também encontros inesperados do primeiro grau!


E chegamos ao "Ve" de Venilale.

A tranqueira local, porque está a ser usada pela administração timorense, encontra-se em bom estado de conservação.


No percurso entre a tranqueira e a ponta oposta da rua, podem ver-se as ruínas (que pena!...) de algumas casas de habitação de funcionários da administração portuguesa e, no extremo da rua, a "Escola do Reino de Venilale", recuperada há alguns anos pela SWATCH mas a necessitar de uma pintura com tintas que tenham em conta a extrema humidade da região para que tudo não acabe como está agora: um aspecto deplorável.


São estes os "3 castelos" da versão timorense da "região dos 3 castelos".
O que há a fazer para tornar este um "produto turístico" interessante? No mínimo "lavar a cara" a todas as instalações que disso necessitem, criar uma brochura explicativa de cada uma (suas características, história, etc) e da sua envolvência e criar alguns pontos de apoio com um mínimo de qualidade para o turista. Alguns edifícios da antiga administração portuguesa servem perfeitamente para o efeito desde que o Estado timorense assuma os custos da sua recuperação e adaptação e encontre depois, sejam empresários privados sejam associações de moradores nos locais, que façam, com algum apoio, a manutenção e exploração dos locais.

Mãos à obra, Sr. Ministro?

3 comentários:

  1. Tanto a Casa do Administrador de Laga como a de Venilale têm área suficiente para uma pequena pousada. Precisaria de uma medição de áreas mais exacta, mas pela estimativa que fiz a partir de fotografias e foto aérea do GoogleEarth, Laga dará para 3 quartos e Venilale poderá ter 4 quartos (com WC privado)...

    ResponderEliminar
  2. Há também uma tranqueira em estado ainda razoável no cruzamento da estrada Com-Lospalos (em péssimo estado!) com a de Lospalos-Tutuala. Salvo erro o suco chama-se Açalai (em Fataluco) - fica perto de Fuiloro - e a tranqueira está mesmo no cruzamento das duas estradas. Assim que fizer a digitalização dos filmes que tirei, mando-lhe fotos dela.
    O Afonso - motorista do Eco-Discovery - sabe onde é ao certo.

    ResponderEliminar