sábado, 14 de maio de 2016

Lagoa de Uai-daba (Baucau) et ses environs

Tinha destinado o dia para fazer o percurso entre Baucau e a lagoa de Iralalara, perto de Lospalos. Mas como eu ponho e Ele dispõe, acabei por trocar as voltas e fiz o percurso que leva à zona de lagoas na estrada Baucau-Venilale. 
Trata-se, para mim, de uma das zonas mais bonitas do país nesta época do ano, em que a paisagem está cheia de arrozais.
Tomada a estrada que de Baucau se dirige para sul, deparamo-nos, a certa altura (a uns 20 kms de Baucau?) com uma placa que nos indica o caminho para duas lagoas existentes no local. Nela estão mencionadas também as cavernas escavadas pelos japoneses na Segunda Guerra. O passeio pode ser, pois, do tipo "2 em 1"...

A lagoa de Hogabiloi, mais pequena, não se vê da estrada e só é acessível percorrendo a pé um caminho que não é fácil. Por isso nunca a visitei apesar de ter o atractivo de as suas águas serem quentes.
A outra é a de Uai-daba, a cerca de uns 3 kms da estrada principal por uma estrada que dá gozo percorrer... aos malucos por estas "estradas" rurais, como eu e o "Jaquim"... 
Mas até ele se queixa de vez em quando. Mas lá fomos andando.



Toda a zona é de grande beleza e prefiro dar "voz" às imagens do que estar aqui com grandes conversas... Avaliem vocês mesmos!












A região com o "Mundo Perdido" como pano de fundo

Oops! Estrada cortada por uma ribeira... Hora de voltar para trás!
8º 36' 20" S
126º 24' 30" E (aldeia de Neoho'o)




Arrozais, palmeiras e montanhas (neste caso o Matebean): uma constante da região

Ao ver esta senhora fiquei sem palavras: pobreza extrema manifestada no vestuário
mas simultaneamente uma beleza própria que me tocou profundamente.
É para este povo que devia ser feita a política.


sexta-feira, 13 de maio de 2016

Baucau - Viqueque BM

O título remete para uma viagem de ida e volta entre Baucau e a cidade de Viqueque, cerca de 65 kms a sul  de Baucau.



Há vários anos fiz este mesmo caminho em busca dos "mares do sul", do "tasimane", o "mar homem" por ser tendencialmente mais revolto que o da costa norte da ilha, o "tasifeto", "mar mulher".
Desta vez queria "somente" recordar algumas paisagens e ver se tinha havido evolução positiva na qualidade das estradas.

Quanto a esta, estamos conversados: tudo na mesma ou um pouco pior, em resultado de mais uns anitos sem conservação adequada. Na prática, encontra-se alcatrão até alguns quilómetros antes de Venilale (a cerca de 30 kms a sul de Baucau, que passámos ao lado por já conhecermos bem) mas depois disso encontrá-lo é procurar agulha em palheiro... Piso de pedra e pouco mais... Digamos que não é o mais confortável para os nossos "rinseses" mas... aguenta-se. Quem corre de gosto não cansa...





Estrada bordejada de árvores de teca, bem identificadas pelas suas folhas largas 
e normalmente amareladas

Passadas as grutas japonesas (a cerca de 25kms de Baucau), continua-se para sul e passa-se o desvio para Venilale, continuando-se mais para sul, a caminho de Ossu. Entretanto damos com as primeiras paisagens deslumbrantes da região (pelo menos nesta altura do ano, com o país coberto de arrozais). Um exemplo é o dos montes "Matebean" ("mulher" e "homem") "coroando" uma paisagem de arrozais.




As grutas podem passar despercebidas ao viajante pois estão quase cobertas de vegetação mas há, alguns quilómetros antes delas, uma placa na estrada indicando a sua proximidade. Essa placa indica também o caminho (com tanto de horroroso --- estrada --- como lindo --- paisagem) para duas lagoas, só uma delas (Uaidaba) visível da estrada. Será o tema da próxima viagem.



Uma das capelas mais antigas do país,
que já albergou uma das imagens sacras mais antigas de Timoor Leste

"Navegando" sempre para sul chega-se a Ossu. Esta localidade tem vários motivos de interesse --- nomeadamente para os timorenses e portugueses --- pois tem vários edifícios muito antigos e que interessa presevar. Conta, igualmente, com a novíssima igreja --- que nos parece algo desproporcionada em relação ao que imaginamos serem as necessidades locais.




Estrada da "tranqueira" de Ossu, lamentavelmente em muito mau estado de conservação, cheia de ervas e com a parede exterior exibindo uma bandeira da ONU que já devia ter sido limpa do local


Escudo português na frontaria da então (e ainda actual...) Administração local

Adiante...
O destino agora é Viqueque mas, principalmente, as "cascatas" de Loyuno,  na povoação do mesmo nome --- e que nos passaram despercebidas na "ida", tendo-as localizado apenas no nosso regresso a Baucau mesmo na borda da estrada.



Com esta conversa toda quase não referia uma das principais riquezas do percurso: a visão das montanhas da região, particularmente do chamado "Mundo Perdido".







E finalmente... Viqueque.

Depois de passada a sub-estação electrica local e percorridos poucos quilómetros, chega-se à cidade.
Confesso que fiquei indignado logo à entrada  quando deparei com este letreiro:


Um letreiro de indicação de localização de instituições escrito em inglês num país que tem duas línguas oficiais?!... E não há minguém que o substitua por um correto?!...

Danado, quis sair dali o mais rapidamente possível e um pouco mais adiante fiz "meia volta, volver"!...






E por hoje é tudo... Nem tive paciência para procurar a nova igreja, quanto a mim mais uma de dimensão injustificada (foto obtida em http://presidenciarepublica.tl/s-e-o-presidente-da-republica-tmr-participa-na-cerimonia-de-inauguracao-da-igreja-paroquial-imaculada-conceicao-em-viqueque/?lang=pt-pt )